segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Tarde de outono

Estive pensando em como todos os dias parecem ser iguais...

Estive pensando também em como pequenos gestos diferenciam um dia do outro...
E como a gente deixa as coisas passarem sem ao menos perceber o que elas poderiam trazer de bom.

É tão estranho quando a gente pára pra pensar como as coisas são, quanto tempo temos ou como conhecemos pessoas que te fazem sentir especial mesmo não estando tão perto.

As vezes penso que seria melhor viver sem pensar, olhar as coisas com outros olhos, com olhos de críticos, afinal acustumamos tanto em ver e ouvir falar sobre guerras, acidentes, tragédias, que elas já não nos impressionam mais.

Deveriamos então nos impressionar mais com as coisas.

Até mesmo um lugar vazio em dias de outono tem seu charme, e não é tão triste assim, basta você enxergar esse mesmo lugar com os olhos do coração.

( As vezes fico imaginando cenas, como num filme, como se alguém estivesse ali, sentado nesse banco apenas sentido a brisa do vento tocar seu rosto, sem se preocupar com nada....Ou até mesmo duas pessoas totalmente descohecidas trocando confidência, aproventando a companhia
um do outro....Dias comuns que se tornam inesquecíveis!)


<3

Um comentário:

Diego disse...

Também acho que deveríamos encarar a vida com mais simplicidade, reparar mais nas pequenas coisas e valorizá-las
Dias comuns podem se tornar inesquecíveis sim, mas a nossa meta deve ser tornar dias inesquecíveis comuns!
Se parar pra pensar, não é nada de outro mundo... não precisamos de muito para ser feliz. Esse exemplo que você deu retrata muito bem isso
Talvez não nos impressionamos mais com tantas tragédias pois todos os dias elas são atiradas na nossa cara como fatos comuns do cotidiano... se tornam coisas pequenas diante do nosso universo.
Ainda bem que o amor ainda impressiona, e nesses tempos difíceis como anda o mundo ultimamente funciona como uma esperança de que tudo pode ficar bem.
E tudo DEVE ficar bem

beijo